Quando eu morrer, dá-me um cravo vermelho, simbolo da liberdade, e leva-me ao mar. Não chores, a vida é o que mais bonito temos e eu procurei sempre viver a minha da forma mais pura possível... Porque sei sorrir e sei chorar... Bem-vindo sejas...
Sexta-feira, 27 de Março de 2009
About you...

 

 

This one goes out to the ones i love...

This one goes out to the ones who care...  

 

 


sinto-me: Estou cá...
música: The one i love - REM

vadiado por homem de negro às 09:24
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (7)

Terça-feira, 24 de Março de 2009
O mágico...

 

 

 

 

Este é que é o verdadeiro artista, é certo, mas e os outros três que não conseguiram converter as grandes penalidades,  aumentando o número de finais perdidas por não saberem marcá-las? Esses são o quê?

 

 

 

 


sinto-me: Já chega de palhaçada...
música: Sou Benfica - UHF

vadiado por homem de negro às 16:53
Ligação vadia | Vadia para mim

Domingo, 22 de Março de 2009
Faço-me...

 

 

 

 

 

 

Faço-me de pequenas coisas

Do teu abraço ao sair da escola

Da luz da tua gargalhada

Da alegria de jogar à bola

 

Faço-me de coisas simples

Do teu sorriso desdentado

De um filme de bonecos a meias

Do teu olhar de safado

 

Faço-me de coisas giras

De um por do sol vadio

Da estrada partilhar

Do nosso viver sadio

 

Faço-me de coisas meigas

Do teu cheiro a menino

Da musica que queres ouvir

Do teu mundo pequenino

 

Faço-me de coisas vividas

Do mar sempre a cantar

Das fotografias que tiras

Do brilho no teu olhar

 

Faço-me de coisas diárias

Do pequeno almoço de torradas

Da fralda que gostas de cheirar

Das bolachas às carradas

 

Faço-me de ti sempre

Todos os dias sem fim

Do quanto te amo

De tudo seres para mim...

 

 

 

 


sinto-me: Em contraponto...
música: Imortais - Mafalda Veiga

vadiado por homem de negro às 00:00
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (4)

Quinta-feira, 19 de Março de 2009
Procuro um sorriso...

 

 

     Estranho dia do pai, este. Estranho e meio triste. Começou com os bombeiros à minha porta para levarem a minha velhota ao hospital, que já não a consigo levar na menina vadia. A consulta teve como resultado aquilo que já sabíamos, ela melhor do que ninguém porque as dores têm sido terríveis: vão tentar salvar a prótese do joelho, mas tudo indica que o corpo a rejeitou e por isso todas estas dores e inchaços. Um ano depois e duas operações  seguidas, foi tudo em vão...

     Não consigo descrever exactamente o desânimo que me vai na alma. Tento parecer sempre alegre e bem disposto, mas tudo isto não tem sido fácil. Não por mim, que me aguento à bronca, mas pelo sofrimento que lhe vejo nos olhos encovados, verdes apagados, nas lágrimas que às vezes deixa fugir, no facto de não comer, no sorriso que já não vejo há muito tempo. Bem ando de volta dela com parvoíces e mimos, mas não sei para onde foi o sorriso dela...

     Às vezes tenho medo que me faltem as forças, que não consiga dar cumprimento a esta estranha empreitada, que não consiga estar lá para ela. Mas arrependo-me desses pensamentos porque, na verdade, quem sofre realmente é a pobre velhota. Os seus 76 anos já pediam um pouco mais de paz e de sossego para poder gozar da companhia do neto, para que eu os pudesse levar a passear os dois, por entre o sol e o mar...

     Para já, o médico disse-me que vão tentar salvar a prótese, que farão tudo o que for possível. Se não conseguirem, terão de a retirar e fixar o joelho. Isto significa que serão mais seis meses entre o hospital, casa e recuperação, com a agravante de lhe serem colocados uns ferros que atravessam a perna, creio que lhe chamam antenas...

     O meu destino acaba por estar aqui nos cuidados que presto à minha mãe, na atenção que lhe dou, em tudo o que faço para tentar recuperar a sua boa disposição. Por estes dias, a vida tem sido tão a correr que mal caio na cama é aterrar até de manhã. Entre as coisas do meu filho e as coisas da minha mãe, mal tenho tempo para mim, mas isso é o que menos importa nesta altura. Sempre tive pelo menos o fim de semana que passou que me soube pela vida. Apesar das lágrimas que já hoje não consegui evitar, essas mesmas que me bailam agora ainda...       

     Estranho mesmo este dia do pai. Não pelas prendas encantadoras que o meu filhote me deu, de produção própria, mas pelo vazio que sinto pelo facto de ela lá ter ficado, uma vez mais, deitada no meio da tristeza que já não lhe consigo arrancar. Nem sequer sou um menino da mamã, sou demasiado abrutalhado e rude para tal, mas sinto a falta do sorriso dela, da sua presença, do conversar com ela, de fazermos o jantar a meias, das guerras com o neto porque ele não quer comer a sopa...

     Depois da escolinha do futebol, fui jantar com o filhote para ver se isto melhorava, mas hoje não é mesmo o meu dia. Nem noite. Nem aquele abraço dele que me costuma serenar a alma hoje resultou. Nada resulta. Apenas e sempre a imagem da minha mãe sentada na cadeira de rodas com uma tristeza infinita no olhar. E a sensação brutal de impotência que me atira abaixo...

     Como sempre, amanhã é um novo dia, eu sei, há que levantar a cabeça e cerrar os dentes, haverá seguramente novas forças para lutar por eles. Espero eu, que ainda não me esqueci do bacalhau à lagareiro que ficou prometido e esquecido lá mais para trás...

     Mas até que ponto pode alguém tanto sofrer sem querer desistir?

 

 

 


sinto-me: Desanimado...
música: Imortais - Mafalda Veiga

vadiado por homem de negro às 23:35
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (13)

Tardes de encanto...

 

 

A mamã e o Rubi. Dois giraços...

 

 

     Foi à volta de uma mesa que nos conhecemos, foi à volta da mesa que nos voltamos a encontrar. À boa maneira portuguesa, que mata saudades em redor de mesa farta, regada a bom vinho, temperada com sorrisos e companheirismo, o sorriso que encanta o homem e a mamã Dulcilena que nos recebeu a preceito, com mesa digna de reis...

     O repasto ficou por conta da mamã, arroz de cabidela assim-assim, que lhe faltou o vinagre, um tinto de estalo e os doces, tarte de não sei quantos e molotof (acho eu), a fechar condignamente a refeição. A acompanhar, os miúdos, o meu "que está tão grande" e rapidamente desatou a brincar e o da Cristal, muito bem disposto, que a mamã chama de Rubi do Tesouro, a fazer valer a sua presença e a reclamar atenção (vais ser cantor, pá, que não te falta a goela)...

     O Porto foi, como de costume, a cidade que nos juntou, mais precisamente Ermesinde, aquela terra que, segundo dizem, tem muitas gajas boas. Eu vi algumas, fizeram-me companhia e tirei-lhes as medidas. O aprazível Parque de Ermesinde, que até gaivotas tem, um sol de primavera e um lago mesmo a pedir para molhar os pés, tornaram a tarde ainda mais azul, cor que predomina por estas bandas, segundo consta, embora os comensais fossem na sua maior parte do clube da águia. Como tal, até a prenda que o homem levou para mestre Rubi vestir tinha as duas cores, azul e vermelho...

     Valeu meninas, foi muito bom reencontrar-vos, adorei a vossa companhia e curti esse puto sorridente. Foi muito bom ter de novo ao colo um bebé, foi muito bom relembrar o sorriso que encantou o homem desde a primeira vez, foi especialmente bom ver sorrir de boa disposição essa mamã que eu tanto gosto. Pena que a tarde não tivesse sido mais comprida, que muito mais haveria seguramente para conversar e partilhar, mas cada um de nós tinha de ir à vida e a estrada chamava pelo homem...

 

     Até um dia destes. A gente vê-se por aí...

 

 


sinto-me: Eu dou-te o arroz...
música: Porto sentido - Rui Veloso

vadiado por homem de negro às 02:24
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (12)

Sexta-feira, 13 de Março de 2009
Rola a bola...

 

 

 

     Rola a bola na televisão, como diz a canção, embora seja terça-feira apenas, um Sporting desinspirado e completamente desnorteado sofre golo atrás de golo, entre duas penteadelas do Miguel Veloso e mais uma jogada de aflição. A meia dúzia de gajos presentes no pequeno bar, que avia mines umas atrás das outras, entre amendoins e duas larachas, entreolha-se perguntando como é possível...

     Chovem as bocas, muda aos cinco e acaba aos doze, é realmente mau demais para ser verdade. Toda a gente participa na festa do Bayern, até o Sporting que foi fazer de bombo da festa. Raios partam estes cromos que a trazem toda estudada...

    Saio para a rua, está frio, os dias são já azuis e soalheiros, mas as noites ainda estão de casaco, rola a bola no campo, um vintena de miúdos corre atrás dela, depois de alongamentos, passes, e mais outras cenas deste mundo do futebol. O danado do guarda-redes principal, com nove anos apenas, é mais arrogante e mal-educado que os outros todos juntos, não gosta que lhe chamem frangueiro e responde torto...

     Repouso o olhar sobre a tua figura que, de olhos abertos, absorve tudo o que o rodeia, procura aprender os exercícios que o mister manda. A tua primeira vez num campo de futebol a serio, ainda que pelado, e numa verdadeira equipa de futebol, com regras, disciplina, companheirismo, novos amigos...

     Não demoras a começar a dar à língua com os outros, por alguma razão a tua professora diz que gostas muito de conversar. Lá corres meio desajeitadamente atrás da bola, ainda sem o "jeito" que se precisa, com indicação do treinador para o central ir com calma porque é o primeiro dia. Melhor, com holofotes, baliza e tudo, a primeira noite. Quem sabe se um dia não vais ser como o Jardel a voar sobre os centrais?

     Isso não importa agora, gosto é de ver que, uma vez mais, te adaptas facilmente a uma situação nova, ao pó do campo e às bolas de treino, danadas de rijas e que fazem doer os pés, nada como aquelas macias que temos lá em casa. Apesar das vezes que ainda vieste à rede para me falares. No fim trazes-me um enorme sorriso, um abraço cansado a cheirar a menino, o rosto afogueado. E vê-se pela transpiração que te aplicaste. E que gostaste tanto que queres continuar, tu e mais os novos amigos que vais fazer entre os meninos da escolinha de futebol lá da terra...

     Boa, puto, enches-me de alegria com esse sorriso. Vai lá ganhando então o jeito que essas belezas que estão aí em cima já te esperam e hão-de um destes dias calçar-te os pés. Mas, acima de tudo, sê feliz em cada chuto que deres, em cada amigo que conquistares, em cada golo que marcares, e também nos que falhares, em cada defesa que fizeres. Mesmo quando não ganhares, sê feliz porque muitas vezes, como tantas vezes dizemos um ao outro "o que interessa mesmo é divertirmo-nos..."

 

 

 

 


sinto-me: Está tudo...
música: A corrente do jogo - Cabeças no Ar

vadiado por homem de negro às 17:18
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (6)

Terça-feira, 10 de Março de 2009
Flor do trigo...

 

 

 

Esses teus olhos enxutos
Num fundo cavo de olheiras
Esses lábios resolutos
Boca de falas inteiras
Essa fronte aonde os brutos
Vararam balas certeiras
Contam certa a tua vida
Vida de lida e de luta
De fome tão sem medida
Que os campos todos enluta

 

 

Ceifou-te ceifeira a morte
Antes da própria sazão
Quando o teu altivo porte
Fazia sombra ao patrão
Sua lei ditou-te a sorte
Negra bala foi teu pão
E o pão por nós semeado
Com nosso suor colhido
Pelo pobre é amassado
Pelo rico só repartido

 

 

Tanta seara continhas
Visível já nas entranhas
Em teu ventre a vida tinhas
Na morte certeza tenhas
Malditas ervas daninhas
Hão-de ter mondas tamanhas
Searas de grã estatura
De raiva surda e vingança
Crescerão da tua esperança
Ceifada sem ser madura

 

 

Teus destinos Catarina
Não findaram sem renovo
Tiveram morte assassina
Hão-de ter vida de novo
Na semente que germina
Dos destinos do teu povo
E na noite negra negra
Do teu cabelo revolto
nasce a Manhã do teu rosto
No futuro de olhos posto

 

 

 

AO RETRATO DE CATARINA
Carlos Aboim Inglez

 

 

 



vadiado por homem de negro às 11:04
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (4)

Domingo, 8 de Março de 2009
Trabalho e pão...

 

 

 

 

Chamava-se Catarina
O Alentejo a viu nascer
Serranas viram-na em vida
Baleizão a viu morrer

 

Ceifeiras na manhã fria
Flores na campa lhe vão pôr
Ficou vermelha a campina
Do sangue que então brotou

 

Acalma o furor campina
Que o teu pranto não findou
Quem viu morrer Catarina
Não perdoa a quem matou

 

Aquela pomba tão branca
Todos a querem p’ra si
Ó Alentejo queimado
Ninguém se lembra de ti

 

Aquela andorinha negra
Bate as asas p’ra voar
Ó Alentejo esquecido
Inda um dia hás-de cantar

 

 

CANTAR ALENTEJANO
Vicente Campinas

 

 

 

 


sinto-me: À memória de uma Mulher...
música: A morte saiu à rua - Peste & Sida

vadiado por homem de negro às 23:30
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (2)

Sexta-feira, 6 de Março de 2009
Por quem somos...

 

 

 

Porque a história da minha liberdade se faz da vida de muitos camaradas que vieram antes de mim, pelo respeito que lhes devo, pelas memórias que me legaram, 88 anos depois a luta continua...

 

 

 

 


sinto-me: Honrado pela memória...
música: Marcha dos Desalinhados - Resistência

vadiado por homem de negro às 23:39
Ligação vadia | Vadia para mim

Segunda-feira, 2 de Março de 2009
Voa...

 

 

  

   

 

 

 

 

 

Arrumo os pensamentos

ali, naquele cantinho da memória.

Guardo os sentimentos,

fazem parte da minha história

 

Penduro as minhas ideias,

num armário de recordações

Ao lado ficam os meus sentires,

no baú das emoções

 

Deito fora a saudade

Dessa não gosto, nunca gostei

 Lembra-me que sou gente

Recorda-me que já amei…

 

Restam-me as amizades

São já bem poucas, é certo

A vida é feita de ir e vir, eu sei

Haverá sempre alguém por perto…

 

O defeito é meu, sei bem

Inquieto ser, sempre à procura

De outras vidas me alimento

Parasita serei, filho da loucura…

 

Tudo no seu lugar, posso ir

Em busca de um pouco de paz

Luto ainda por dias de azul

Deixar a tristeza para trás…

   

homem de negro

poemas vadios

 

 


sinto-me: preso demais...
música: Entre o céu e o chão - Tim

vadiado por homem de negro às 01:12
Ligação vadia | Vadia para mim | Vadiagens (4)

homem de negro
Procurar vadiagens
 
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Vadiagens recentes

Parabéns...

Minha querida India...

Amor incondicional...

Amor incondicional...

Procurando...

Coisas que eu sei...

Ora pois...

El comandante...

You and I...

...

Até amanhã, camarada...

Um ano mais....

Dias felizes...

O menino e o cão...

Hoje é sexta feira 13...

25 de Abril sempre?

O tempo e saudade...

Olá...

Até já...

Recordar-te...

Vadiagens guardadas

Janeiro 2016

Novembro 2015

Março 2014

Janeiro 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Julho 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Setembro 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

antros de perdição
sons vadios...

Search Video Codes
blogs SAPO
subscrever feeds